Páginas

A imperfeição é bela, a loucura é genial e é melhor ser absolutamente ridículo que absolutamente chato.

quarta-feira, janeiro 27, 2010

Ainda que tardia...pressa


  E eu dançava lentamente.E amaldiçoadamente.
Minha intenção proeminente era liberar aquele afã tão ironicamente cheio de ânsia que me arrastava e arrebatava meus sentidos,sempre aguçados.Conseguiria ? Eu nunca havia falhado antes.
Mas este ser humano não parecia tão vulnerável aos meus misteriosos e ociosos mistérios.Talvez fosse isso o meu ponto fraco;eu parecia envolvida em uma aura indefinida que se rodeava a mim como um sombra a ser temida.
     Mas eu poderia assumir várias faces,qualquer disfarce,qualquer atraência que pudesse conceder-me a vitória sobre meu objetivo.Meu desejo que não devia ser corrompido era  a satisfação que me traria o deleite pleno da vitória que me deixaria em pleno ardor.Seria o méu álibi,e meu ápice - nada como um desafio a ser subestimado.
     E nesse momento,encontrei a dúvida,que me afligia ,mas certamente não me venceria.Era um humano,o meu alvo.Ele me temia,mas era  forte ,e aí se encontrava o motivo de querer acertá- lo.Poderia eu agir como um demônio.Ou como uma puritana.Mas seria fraqueza,embora não ajam virtudes mais fortes.Poderia eu assumir a face do impluso,da mentira,da armadilha,da fraqueza,da impunidade,e castigá - lo.Ou até mesmo a face da beleza,da magnificência,da fascinação,da idolatria,dos sonhos.Mas eu não sabia como ele se renderia.O que fizera ele a mim?Ameçava-me,simplesmente por sua existência e se emancipara ao poucos de minhas danças.Mas era algo  fascinante a perspectiva de tolerá-lo.Então eu o deixaria escolher,na minha fraqueza.E eu assumiria a face da plena liberdade,minha melhor opção diante tal ocasião.Sim,e eu saciaria a minha sede.
     Lancei-me admiravelmente sobre o espírito daquele ser humano,nada distinto ,devo dizer,com tamanha dinâmica que a todos poderia surpreender.Mas a liberdade é perigosa,então lancei-me também com o medo banal que detém as pessoas.E alojei-me,desta vez sem nenhuma artimanha.Eu dei as chances,ele faria as escolhas.E o sopro de minha existência estaria sempre ali.
    Ele estava submetido ao teste.E,sinceramente,eu torceria por ele.E o tempo foi passando,mas ele não reconhecia a sua preciosidade,e sem saber,se perdia no espaço limitado que vivia.E eu não podia livrá-lo do medo,já estava nele,quando ele o pode extinguir foi contido,e o herdou para sempre.As chances estavam ali sempre,mas,o calculista,esquecia o porque da existência dos impulsos.E se deixou levar pelo ciclo vicioso do cotidiano,achando que eu seria longa,mas surpreendendo-me concisa.E daninha,claro,pois minha face não é das mais admiráveis.E ele enfim caiu em minha teia de perseguição e sucumbiu.Eu não desejei tanto.Eu só desejavA impactos,e não passagen breves.E pela sua covardia,eu o aniquilei,com vontande,vingando-me pelas oportunidades que ofereci,sucumbi-o com minhas garras, presas, gritos, poderes, fascinações, beleza, fealdade, inquietude,destreza,maldade,entristeci-o em sua vulnerabilidade.e dançando numa fúria tão aberta e evasiva que deixava-me am claro êxtase,ataquei como uma fera que esperou pela vulnerabilidade da presa.
     Sempre dou todos os momentos a quem os deseja ter,e não a quem os decide conter,pois machuca minha breve dignidade.Eu me lanço,e deixo que se lancem sobre mim;é minha maior euforia.Sou a coisa mais magnífica que todos jamais conheceram,mas também a mais monstruosa,quando desacatam-me.Posso ser formal,informal.Mas dito o destino.Escrevo e reecrevo cada erva de cada ser.Alguns intitulam-me ordinária, outros, imprecisa,outros de mera existência,ou inconstante,complexa,incível.Mas,normalmente,chamam-me de vida.E honestamente,posso ser qualquer adjetivo que uma voz me conceder.

E se qualquer ser humano vivesse plenamente sua vida como gostaria de viver,o mundo experimentaria tal impulso novo de alegria que voltaríamos ao esquecido ideal grego,e as enfermidades esvaneceriam.Mas o homem mais forte tem medo se si.
     

7 comentários:

  1. Eu adorei.. quase impossível definir a vida, mas o melhor modo é usar adjetivos avulsos..porque a vida é tudo que possa definir algo, desde o pior defeito até a melhor qualidade..

    ResponderExcluir
  2. Sempre tenhos segredos que me mancham de rubor a face.
    Maravilhoso texto!

    ResponderExcluir
  3. "E se qualquer ser humano vivesse plenamente sua vida como gostaria de viver,o mundo experimentaria tal impulso novo de alegria que voltaríamos ao esquecido ideal grego,e as enfermidades esvaneceriam."

    Alguns dos seres humanos continuam na primitividade... Impusos são armas atomicas, ja que hoje muitos se acostumaram a viver como maquinas ambulantes de "guerra" (intima e pessoal... )

    Saudade do seu blog Rivia!!! ^^x
    andei sumida, tampando ainda algumas das infinitas lacunas q me compoem... =)
    bjo linda! até

    ResponderExcluir
  4. mais um jeito diferente e unico de relatar.....dissertar sentimentos
    rumos
    a vida em si.
    mto lindo e aproveitável seu texto.
    parabens.
    \o/
    sempre q venho aqui sou premiado com ótimas reflexões/textos/experiecias e afins...

    ahaaa.vo fazer outra promoção mais modesta e justa se vai v kkkkkk
    aqui em são paulo o ET morreu =/
    a chuva não perdoa.
    e a coisa tá mais feia que o cruzamento do carlitos tevez com a regina casé..
    affi maria...
    abraços e até mais V

    ResponderExcluir
  5. Gostei mto do teu blog...
    Tbm tô te seguindo...

    Bjuss :)

    ResponderExcluir
  6. embora racionais,..ainda nao passamos de animais!

    ResponderExcluir
  7. "Mas o homem mais forte tem medo se si.E cada impulso contido se volta para dentro e envenena a alma,deixando o humano doentio."

    Texto perfeito, a vida.. como escola... e o homem colocando todos os seus recursos para torna-la previsivel.. o que felizmente não ocorre... como diz: É preciso saber viver.. viver é uma arte....
    muito bom!!
    obrigado pela visita em meu blog.. ^^

    afim de parceria de links?

    http://gothicpoesia.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Gosto de críticas,mas respondo a insultos.